PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

"CENTRO ESPÍRITA SEAREIROS DO BEM - HÁ 25 ANOS EVANGELIZANDO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE"

PROGRAMA PENSE NISSO

PROGRAMA PENSE NISSO
PROGRAMA PENSE NISSO . De segunda á sexta, 17 horas . Na Rádio Boa Nova de Itaporanga- CLIQUE NA IMAGEM E OUÇA A RÁDIO

NÓ CEGO

                                                    ( Reynollds Augusto) 

Todos nós estamos "envolto" de uma jurisdição precisa e terminantemente justa, pois administrada pela lei natural que é criação de Deus. A sua aplicação é perfeita e isenta de influências sejam elas quais forem. Na aplicação das leis de Deus não há a interferência do jeitinho brasileiro e é sempre dado “a cada um segundo as suas obras”, cuja penalidade é o resultado do que somos e do que pensamos. A pena pode ser abrandada e dosada, como na jurisdição estatal, que no tempo certo estará também terminantemente influenciada pela natural. O subjetivismo desse abrandamento depende do "objetivismo" do nosso comportamento, pois “o amor cobre uma imensidão de pecados. Mas nada de subterfúgio ou enganação. A Deus não se pode enganar, pois ele sabe tudo e até com antecedência do que pensamos e qual atitude tomaremos. Isso é onisciência.

Um dos maiores crimes perpetrado pelo espírito humano é quando ele resolve dar cabo a sua própria vida, pois isso representa a fuga dos compromissos e é uma espécie de “jeitinho brasileiro’ para não resgatar os erros cometidos e não cumprir com a “pena” imposta pelas leis naturais. Na relação social só conseguiremos, em tese, voltar ao convívio da relação, com harmonia, depois que cumprimos a pena que é o resultado do que fazemos contra as regras estabelecidas, para que essa convivência se firme com honradez.

Também, só conseguiremos encontrar a felicidade e a tão propalada “salvação” quando cumprimos a nossa obrigação frente às leis divinas, pois “não sairás daí enquanto não pagares o último ceitil” e “ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo”. É ingênuo achar que o que fazemos e o que pensamos não é alcançado por essa jurisdição divina, como é também inequívoca a certeza de que tudo está certo e que no momento oportuno nós alcançaremos a luz que procuramos ,pois esse é o fim de todas as ovelhas do Pai e para isso os recalcitrantes terão que sofrer um bocado pois é preciso que o indivíduo evolua e ele fará isso ou pelo amor ( querer) ou pela dor ( imposição) . É preciso vestir a “veste nupcial”, se não... não conseguiremos entrar no festim.

Outro dia em Boa Ventura conversamos com um espírito desencarnado que estava numa aflição tremenda, pois continuava em débito com as leis de Deus e com possibilidade de se endividar cada vez, mais devido a sua fraqueza moral. Emocionamo-nos muito com a sua estória e ate choramos com a sua dor e procuramos ajudá-lo. O doutrinador da noite estava inspirado na argumentação e no estímulo à sua volta ao “campo de batalha” que é a Terra, pois estava se preparando para retornar ao Planeta para reencarnar e com bastante medo de falhar novamente, pois já havia se “matado” mais de duas vezes, tentando fugir das provas que ele mesmo plantou. Depois de muita conversa muita ponderação, sentimos até um alívio final e ele se despediu agradecendo e chorando.

Tudo isso me fez lembrar Alexandre o Grande que viveu em mais ou menos 356-323 a.C, quando numa de suas viagens de conquista postou-se à frente de uma carroça e notou que a corda que prendia a canga tinha um nó cego. E o leitor sabe como é difícil desatar nó cego. É uma tremenda dureza.
Pois bem ás vezes nós damos muitos nós cegos em nossas vidas e é preciso desatá-los sem cortar a corda que parece ser mais fácil e rápido. Na vida isso "não dá certo não". O nó cego era conhecido com o nó górdio, pois a dita carroça era de propriedade de um camponês com esse nome. Segundo a tradição quem o desatasse dominaria o continente asiático. Alexandre ficou contente com a idéia mas frustou-se diante das tentativas e tomou a drástica providência de cortar o nó em um só golpe com sua espada, usando o conhecido “jeitinho brasileiro” e achava que tinha vencido o desafio, mas os deuses não gostaram disso não e apesar de ter tomado momentaneamente o império, o seu reinado foi efêmero desmoronando e aos trinta e três anos, foi acometido por uma tremenda febre e morreu. A lei de causa e efeito o envolveu, pois não adquiriria o que queria legitimamente.

Não seja tolo e infantil ao ponto de pensar que o que você faz não redunda em conseqüências boas ou ruins para a sua vida. Nunca corte a corda e aprenda a desatar os nós com paciência .
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

Nenhum comentário: